Eloisa Augusta Gomes

Doutoranda na escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na linha de pesquisa Educação e Saúde, especificamente na temática: o desejo, segundo Spinoza, a ser investigado na perspectiva de pessoas idosas residentes em asilos, com uma abordagem por meio da videoarte. Áreas de interesse são: Educação em Saúde, Práticas Integrativas Complementares em Saúde e a Música como abordagem criativa para o processo ensino-aprendizagem. Idealizadora do projeto musical Segura o Choro!

Labirinto do olhar

Diante de um contexto de pandemia e isolamento, novas maneiras de existir, de expressar os afetos, de efetivar as trocas, irromperam. Pode-se dizer que a arte favorece esse acontecer. O labirinto do olhar é um vídeo com narrativa poética, com imagens de filmes -sonhos de Maya Deren e Hitchcock-, intercalando com imagens de cenas cotidianas como a chuva vista pela janela e o encontrar felicidade na beleza de um entardecer. O objetivo de entrelaçar Maya, Hitchcock ao cotidiano foi atingir aos fruidores, provocando o despertar para novas composições e devires. Importa, ainda, destacar dois aspectos interessantes que, de certa maneira, trazem uma relação com esse trabalho. O primeiro é sobre o íntimo feminino relacionado ao entardecer e o surgimento da lua, astro matriarcal cultuado nas culturas gregas e celtas. Os festivais relacionados aos ciclos lunares associavam os rituais de fertilidade às deusas e ao feminino. Já, o segundo aspecto trata-se dos signos da árvore frutífera e signos associados ao sexo feminino, como a flor de romã que colore lindamente o labirinto do olhar. Sabe-se que há milênios a primavera tem sido anunciada pela via do feminino e data-se do período neolítico, que os rituais de fertilidade se tornaram fundamentais para garantir os ciclos de nascimento-morte-regeneração.

Técnica e/ou materiais: videoarte


Suporte/dimensões: Aparelho Celular

Equipe: Iury Salk Resende